Bons padres para o Brasil

Fonte: CNBB

Por Dom Fernando Arêas Rifan, Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney

 

Está acontecendo em Aparecida a 56ª Assembleia Geral Ordinária da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), na qual estou presente com os outros irmãos no episcopado, demonstrando a nossa comunhão eclesial efetiva e afetiva, tratando dos assuntos mais importantes para a Igreja no Brasil. Peço as orações de todos, pois é interesse de todos que os seus pastores os guiem bem.

Durante a Assembleia, os Bispos celebram a Santa Missa, rezam em comum o Ofício Divino, fazem retiro espiritual e tratam de assuntos importantes e necessários à vida da Igreja. A Assembleia desse ano, entre muitos outros assuntos, tem como tema central as “Diretrizes para a formação dos Presbíteros da Igreja no Brasil”.

Termos bons sacerdotes nos interessa a todos. Por isso, peço a todos, especialmente aos irmãos leigos, que rezem e peçam “ao Senhor da messe que mande operários para a sua vinha”, bons e santos sacerdotes. Os presbíteros, em virtude do sacerdócio ministerial, unidos ao bispo e aos demais membros da Igreja, ocupam lugar especial na missão de anunciar o Reino de Deus.

“Na atual realidade, verificam-se situações que afetam e desafiam a vida e o ministério dos presbíteros… Existe o desafio em relação à identidade teológica do ministério presbiteral… O presbítero não é um mero delegado ou um representante da comunidade. Pela unção do Espírito e por sua especial união com Cristo, ele é um dom para a comunidade. O sacerdócio ministerial é um dos meios que Jesus utiliza a serviço do seu povo, mas a grande dignidade vem do Batismo, que é acessível a todos…”.

Existem outros desafios: instâncias eclesiais nem sempre impregnadas do espírito missionário… A conversão pastoral requer atitude constante de saída… e a passagem de uma pastoral de ‘mera conservação para uma pastoral decididamente missionária’…, falta espírito missionário em membros do clero, inclusive em sua formação” (Tema central: sugestões).

Como toda família, a Igreja, divino-humana, tem seus problemas, devidos à sua parte humana. Jesus disse que o “Reino de Deus” aqui na terra, a Igreja, é semelhante a uma rede, com peixes bons e maus, e a um campo com trigo e joio. A depuração será só no fim do mundo.

Essa noção de família é muito importante na eclesiologia. A Igreja é algo objetivo, fundada por Nosso Senhor sobre os Bispos, segundo a sucessão apostólica. A Igreja não é um grupo de amigos. “Na Igreja, eu não procuro meus amigos, eu encontro meus irmãos e minhas irmãs; e os irmãos e as irmãs não se procuram, se encontram. Esta situação de não arbitrariedade da Igreja na qual eu me encontro, que não é uma igreja da minha escolha, mas a Igreja que se me apresenta, é um princípio muito importante. Isto não é minha escolha, como se eu fosse com tal grupo de amigos ou com outro; eu estou na Igreja comum, com os pobres, com os ricos, com as pessoas simpáticas e não simpáticas, com os intelectuais e os analfabetos; eu estou na Igreja que me precede” (Ratzinger, Autour de la Question Liturgique, Fontgombault, 24/7/2001).

+ Artigos:

dom-jose-gislon
Deixe o Espírito Santo agir
dom-fernando-areas-rifan
O sopro da vida
dom-adelar-baruffi
dom-aloísio-dilli
Pentecostes
dom-gil-antonio-moreira
dom-reginaldo-andrietta
Amorização que nos salva
dom-jose-alberto-moura
Uma só língua
dom-paulo-mendes-peixoto
Escolhas que Deus faz
dom-odilo
Creio na Igreja
dom-rodolfo-luis-weber
O sagrado direito ao descanso

Desenvolvido por CMC Multimídia