História

Santuário Mariano Diocesano – Igreja Nossa Senhora do Bom Sucesso e sua História

No período da Colonização, tão logo se constituísse algum núcleo de povoação, era de costume que fosse construído uma capela em invocação a um santo padroeiro. Assim ocorreu nesta terra, quando os fundadores do núcleo de povoação, formado na ocasião onde hoje se situa a Praça Padre João de Faria Fialho – popularmente conhecido como Largo do Quartel (2º Batalhão de Engenharia e Combate Borba Gato).

No local, foi edificada uma capela, no alto de uma colina, voltada para o Rio Paraíba, sob a invocação de São José. Com o passar do tempo, aproximadamente 30 anos, a capela tornou-se muito pequena para receber os fiéis, motivo pelo qual foi iniciada a construção de uma igreja matriz mais ampla, embrião e raiz do nosso atual Santuário, exatamente no local onde se encontra hoje a Igreja Matriz de Pindamonhangaba.

As obras dessa singela igreja foram terminadas pelo seu primeiro vigário, o Padre João de Faria Fialho e inaugurada em 26 de julho de 1.707, recebendo a invocação de Nossa Senhora do Bom Sucesso.

Posteriormente, em 1.841, por iniciativa de Monsenhor Ignácio Marcondes, a igreja primitiva foi totalmente reedificada, sob o comando do arquiteto Francisco Antônio Pereira de Carvalho, carinhosamente conhecido como Chiquinho do Gregório, tendo acompanhado como mestre de obra, o português José Pinto dos Santos. A nova Igreja Matriz foi inaugurada em 1.853.

No final do século XIX, em 1.890, o vigário Cônego Tobias da Costa Resende coordenou a primeira reforma do interior do templo. Sucedendo-o, o Padre Francisco Reale, em 1891, mandou colocar as grades fronteiriças e calçar de mármore o adro da igreja.

Em 1.909, sob o comando do vigário Padre Ângelo Gazza, foi realizada a segunda reforma. Em seguida, em 1.926, com o projeto do arquiteto Francisco D`Arace o presbitério da Igreja foi totalmente reedificado.

O atual aspecto da nossa Igreja Matriz é de responsabilidade do dinâmico vigário Monsenhor João José de Azevedo, que em setembro de 1.941, inaugurou o piso de ladrilhos, substituindo todo o madeiramento anterior, bem como as barras de granilito que protege as paredes laterais e a Mesa da Sagrada Comunhão.

Em face das significativas mudanças realizadas no templo, decidiu-se sagração do novo templo religioso, sendo presidido pelo Bispo de Lorena, Dom Francisco Borja do Amaral.

Em 1.952, Monsenhor João iniciava a reforma interna, com uma belíssima pintura de responsabilidade do artista Antônio Limones e seu filho Miguel Limones. Com o tempo, a antiga caiação azul clara deu lugar aos painéis litúrgicos, executado em concreto armado, obra essa finalizada em agosto de 1.960.

Em 06 de janeiro de 1.964, com o nome de argão Maestro João Antônio Romão, em festiva solenidade foi inaugurado o órgãos de tubos, construído em cinco anos pelo mestre alemão Gustavo Weissemrieder.

ASPECTOS INTERNOS

Com a fachada majestosa de frontão em estilo neoclássico, ornamentada com elegantes colunas dóricas e torres marchetadas com azulejo português do século XVII, o nosso Santuário Mariano Diocese chama pelo acesso em três imponentes portas, que lembram as virtudes teologais: Fé, Esperança e Caridade. A porta central apresenta a inscrição “Domus mea domus oriationis” e as portas laterais apresentam vitrôs representando São Paulo e São Pedro.

Em seu interior encontram-se a tradicional Capela do Santíssimo (esquerda) e do Imaculado Coração de Maria (direita), bem como diversos altares e imagens, entre eles, dedicados a São João Batista, com imagem de São Benedito, Nossa Senhora de Fátima com imagem oriunda de Portugal, São Miguel com imagem de Santo Antônio, Santa Rita de Cássia, Imaculada Conceição com imagem de Santa Inês.

Na nave maior e central, localiza-se na parte alta o altar da Padroeira Nossa Senhora do Bom Sucesso, a frente de um grande retábulo em azulejo colonial português, realçando três nichos em alvenaria com as imagens de São José e São Joaquim e o teto central ornamentado com painel em invocação a Nossa Senhora Auxiliadora.

É importante destacar ainda que o conjunto arquitetônico e artístico é coroado em seu teto de berço apresentando quatro clarabóias com vitrais retratando importantes símbolos eucarísticos e painéis mostrando a Criação do Mundo, a Anunciação, a Crucificação e a Ressurreição.

Destacam-se ainda os três jazigos no piso central, onde estão sepultados o fundador da cidade Cap. Antônio Bicudo Leme, Cônego Tobias da Costa Resende e Monsenhor João José de Azevedo, vigário que permaneceu o maior tempo (49 anos), a frente da Paróquia (abril de 1.924 e março de 1975).

ELEVAÇÃO A SANTUÁRIO

Considerado um dos mais antigos templos religiosos da Diocese, a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Bom Sucesso, no transcurso do Ano Mariano de 1.988, sob o comando do Pároco Benedito Gil Claro e em cerimônia presidida pelo Bispo Dom Antônio Afonso de Miranda, o templo foi elevado à categoria de Santuário Mariano Diocesano em 24 de junho de 1.988.

REFORMAS ATUAIS

Ainda sob o comando do Cônego Gil, foi realizado em 1992 a reforma e pintura externa de toda a Igreja.

Sob o comando do Pároco, Cônego Luiz Carlos de Souza, foi iniciada em setembro de 2008 nova obra de reforma externa do Santuário com realização de pintura externa e troca de todo o telhado do templo religioso, que foi substituído por telhas de silicone com melhor qualidade e duração. Portas e batentes também foram restaurados e depois pintados.

As obras de reforma do prédio foram realizadas exclusivamente com recursos da Igreja, que iniciou no final de 2008 a Campanha “Ação entre Amigos do Santuário” que arrecadou recursos financeiros para bancar a obra. Através desta campanha, os colaboradores concorreram mensalmente a sorteios de prêmios.


Desenvolvido por CMC Multimídia